Em tempos bicudos, de presidente tabacudo e pastores canalhas, reparto aqui com vocês "o pão", meu novo single.

o pão é pequeno
para a nossa fome
e põe um veneno
na boca que o come
ninguém o consuma
sem pagar primeiro
o preço da bruma
que oculta o dinheiro
o dinheiro…

fermento do homem
o pão escasseia
aos que se consomem
na seara alheia
na boca vazia
que arrota trabalho
o pão de cada dia
cada dia é falho
é falho…

fosse nosso pão
e a deus não se iria
suplicá-lo em vão
n’alguma reza fria
e o povo que engula
a sua própria fé
pecado é a gula
a fome não é

o pão é a obra
de um labor diário
mas que nunca sobra
para o operário
o que o chão encerra
para quem tem fome
se quem cava a terra
a terra é que come
come o home…

onde está o trigo
em toda a sua carga
quando me mastigo
minha boca amarga
o pão é alheio
e alheio é o prato
que vazio ou cheio
não tem preço exato
exato…

FICHA TÉCNICA

João Pedro Mansur - produção, guitarras e sintetizadores
Sandro Jadão - baixo
Ismael Rattis - percussão
Célio Maciel - bateria
Deniel Moraes - eng. captação
Daniel Félix - eng. mixagem
Eduardo Belga - capa